Social Icons


sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Entrevista com "Solange tô aberta"



Foto por Lex Mendes

 
Conheci a pouco tempo a banda, vi na pagína do “Putaria” no Facebook e achei genial a expressão,manifestação e a festa que são os shows da banda “Solange to aberta”. É possível perceber tudo isso através de alguns vídeos que circulam na interwebs dos shows. 

Confira a entrevista...



Primeiramente, por que “Solange Tô aberta”? Quem são os membros? Já teve alguém que deixou a banda?
Bem, primeiramente que se escreve “Solange, tô aberta!” ou “STA!”. O nome se modificou um pouco nesses anos, mas esse é o que mais a representa atualmente. Foram duas pessoas fundadoras do projeto: eu (Pedro Costa) e Paulo Belzebitchy, que há alguns anos saiu do projeto para seguir a carreira dele, com o seu projeto solo. Fiquei um ano com o projeto parado, depois voltei, convidei amigxs para fazer comigo, e depois fiz os últimos shows da banda porque eu queria seguir outros caminhos pela arte, o que foi realmente impossível de acontecer, porque Solange é mais forte do que eu. Eu trabalho atualmente com amigxs convidadxs ou só.

Já tiveram outras bandas antes da “STA” e que fosse de outro gênero sem ser o funk?
Bem, se você pergunta sobre bandas no Brasil que tratam os temas das sexualidades ou temas sociais, te respondo: sim, claro.

Em relação à produção das músicas, como é? Processo independente, estúdio, caseiro?
É o processo como se faz o Funk Carioca, o Tecnobrega, o Kuduro ou o Hardcore: computador, pirataria e D.I.Y. (faça-você-mesmx).

Foto por Lex Mendes


O que a “Solange Tô aberta” defende de maneira política? O que vocês acham de coisas como a questão do estupro e aborto? 
STA! propoe o corpo como festa política. Nao mais o corpo controlado pelos desejos capitalistas e nem mais as identidades de gênero sob os discursos de controle. Como o projeto pode ser considerado como queer transfeminista, acho que isso poderia responder as outras perguntas.

A banda tem um foco principal? Qual é?
Diversao coletiva e crítica.

Eu vi alguns vídeos e percebi que vocês fizeram show foram do país, conte-nos como foi e por onde já fizeram turnê?
Solange já fez sua dancinha no Brasil (em Salvador, Rio de Janeiro, Sao Paulo, Aracaju, Natal e Brasília). Fora do Brasil, em Bolívia, Itália, Alemanha, Dinamarca, Áustria, Noruega, Espanha e Polônia.

A banda ainda está na ativa fazendo shows?
Sim. Esse ano, ela participará esse mês da Muestra Marrana n. 6 na Espanha, e depois em 2 exposicoes no Brasil.





Uma das minhas músicas favoritas da banda é “Vou comer o cu do Freud”, vocês realmente se dedicam não só a questões políticas, mas também filosóficas e sociais, pode considerar como uma voz de protesto tão anárquica quanto de uma banda punk?
A música se chama “Fuder Freud”, que é um anagrama, ou seja, com as mesmas letras você forma as duas palavras. Eu acredito que ter um corpo já é uma questao política. Como a psicanálise, fundada por Freud, é um dispositivo de controle e categorizacao dos desejos, ao mesmo tempo em que ele inaugurou o pensar sobre “desejos”, ele e sua teoria é uma figura importante para se criticar. O esquema dessa letra foi estudar essa teoria, e transforma-la em um proibidao de funk. É fazer o que os acadêmicos adoram, só que no sentido inverso. Eles adoram transformar conhecimento “nao-acadêmico” em conhecimento “acadêmico”. Eu faco o contrário, com essa música. Se você entende sobre Freud, você irá reconhecer que tudo que eu escrevi na letra tem a ver com a teoria e biografia dele, por isso que ela pode ser tao potente para quem entende e critica a posicao de Freud no mundo ocidental atual.

Apesar de a batida ser funk, e haver bandas de “sátira” ou também conhecidos como “funk de USP” o que vocês acham do Bonde do Rolê?
Bem, eu não gosto da forma como você escreve “Apesar de a batida ser funk...”. Nao diminua o valor do funk, mas compreenda todo o significado que ele representa! Nao reproduza discursos de exclusao. O que eu tenho que achar do Bonde do Rolê? Eu não tenho que achar nada. Eles tem o projeto deles, e cada um tem sua própria opiniao a respeito. Por que a minha opiniao seria melhor?

Vocês acreditam que as músicas da banda têm um poder de intervenção artística e que incomoda algumas pessoas?
Primeiro, eu não entendo o que significa “intervenção artística”. Seria “intervir com arte”? Se sim, Solange faz isso. As artes, em suas várias manifestacoes filosóficas e materiais, podem despertar vários tipos de sentimentos, pensamentos e críticas. É claro que a música é um forte instrumento de luta, é só ver na história do Brasil e do mundo.

Foto por Lex Mendes


Nunca fui a um show, mas parece que rola uma energia incrível, como é? Rola um tesão durante os shows?
Tesao sempre rola, porque é o campo de atuacao da Solange. E xs amigxs da Solange sempre estao nos shows pra se acabar, dancar, beijar e se divertir!

Vocês já foram hostilizados nos shows?
Já tiveram ataques diretos e indiretos, claro.

Para finalizar, algum recado?
Espero que você publique a entrevista sem modificar nada e esclareca alguma coisa que queira. Para conhecer mais sobre o que penso, indico alguns sites:
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Blogger Templates