Social Icons


domingo, 4 de agosto de 2013

Entrevista com Gisele Ferran !!! A rainha do grito underground !!!


Ah Gisele....me mata sufocado,que nem no "Doce Avanço da Faca"...


 

Gisele Ferran,atriz e atual musa do underground está no filme “Zombio II: Chimarrão e Zumbis” e muito antes já vem feito a alegria da garotada em filmes independentes da Canibal,dentre eles; “O Doce Avanço da Faca” , “Mar Negro” e o clássico Freddy Breck Ballet”. Também mantém um blog (She Demons Zine: A casa da demônia) com Coffin Souza (do qual já trabalharam juntos diversas vezes,incluindo em uma fotonovela online). 

Acompanhe agora a entrevista com a musa:

Gisele, musa, gata, show de mulher! Como você foi parar nesse meio do underground e até aos filmes do Gurcius e Petter Baiestorf? Você recebe alguma reclamação/rejeição em fazer filmes do gênero ou pelo simples fato de mostrar os peitos nos vídeos?
R: Bom, meu primeiro contato com filmes independentes foi assistindo ao filme Mamilos em Chamas do Gurcius Gewdner. Amei o filme e entrei em contato com o Gurcius, nos tornamos amigos. Como eu já fazia teatro nessa época, ele me chamou pra participar do musical Freddy Breck. Logo depois conheci o Petter Beiestorf e entrei para a Canibal Filmes, foi assim que tudo começou. Sofri muito preconceito por fazer filmes gore e por mostrar os peitos, mas apenas de pessoas ignorantes e maldosas que tem uma vida frustrante e invejam qualquer pessoa que se destaque e que é feliz. Infelizmente o mundo está cheio de pessoas assim. Mas foi bom para eu ver quem realmente é importante. Me afastei dessas pessoas negativas e preconceituosas. Evito até de passar perto (risos).



Você também colabora em um blog com o César Coffin Souza não? Fizeram até um casal no filme “O Doce Avanço da Faca”, como é trabalhar com o Coffin?
 R: O Coffin Souza é um excelente ator/diretor/maquiador de efeitos especiais e, além disso, é uma pessoa maravilhosa que admiro e amo muitíssimo. Nós nos conhecemos nas filmagens de O Doce Avanço da Faca e ele me ajudou bastante na atuação, dando apoio e dicas nas cenas mais complicadas, me senti muito a vontade contracenando com ele, a partir daí nos tornamos muito próximos. Ele sabe muitas coisas sobre cinema, eu sempre aprendo bastante conversando com o Coffin.  Adoro nossas longas conversas cinematográficas, e nessas muitas conversas surgiu a ideia de criarmos um blog, o She Demons, sobre cinema de horror, trash, scream queens, quadrinhos, arte erótica etc. Na verdade o She Demons antes de ser blog, era um fanzine que o Coffin tinha nos anos 90. Aproveitem para conferir o material do blog, galera!!! http://shedemonszine.blogspot.com.br/

De todos os filmes que você já participou qual foi o mais gostoso de gravar e o que você mais gostou do resultado final?
R: Ah, sempre gosto mais do trabalho que acabei de fazer, porque a cada novo filme, sinto que evoluo como atriz e adquiro novas experiências e descobertas. No O Doce Avanço da Faca, eu ainda estava “crua”, foi meu primeiro filme com falas e não fiquei satisfeita com o resultado da minha atuação. Se fosse hoje em dia, sinto que eu poderia fazer muito melhor. Apesar disso, tenho um carinho enorme por esse filme, ele é super importante para mim por várias razões. Em Zombio 2: Chimarrão Zombies, minha personagem, Nilda Furacão, à princípio faria apenas uma curta participação. Mas no desenrolar das filmagens, a personagem foi crescendo, fui descobrindo novas possiblidades e a personalidade da Nilda foi ganhando força e brilho próprio, com isso vieram novas cenas. Aprendi bastante nas filmagens de Zombio 2, a equipe toda desse filme é fantástica, talentosa pra caramba e o clima nas filmagens foi excelente, sinto muitas saudades. Amei demais o filme Zombio 2, esse filme é sensacional, genial, super gostoso de assistir!!  Gostei bastante também da participação que fiz no filme Mar Negro, de Rodrigo Aragão. O convite para esse filme foi um grande presente pra mim, foi formidável trabalhar com a equipe maravilhosa da Fábulas Negras. O filme que fiz em parceria com o Coffin Souza, O Laboratório do Dr. Sepúlveda (em fase de edição), talvez foi o mais divertido de participar, pois pude exercitar todo meu lado criativo, ajudando na montagem do cenário e confecção dos monstrinhos, foi delicioso inventar cenas e passar várias madrugadas “brincando” com marionetes assassinas. Mas tem um filme que é especial: meu primeiro filme, Freddy Breck Ballet. Esse curta transmite uma enorme sensação de liberdade e acho que é por isso que eu o adoro tanto. A nudez no filme, a meu ver, é colocada não de forma sexual, e sim como algo natural, espontâneo e até mesmo ingênuo e puro. É lindo!



Muito tempo atrás eu postei no blog da Bukkake que se eu tivesse a oportunidade de fazer o filme que quisesse; seria um underground lésbico com você e a Ljana Carrion, outra musa do underground que inclusive vocês participam do elenco de um filme do Gurcius que está em produção, o que acha da ideia e da Ljana?
R: Ljana Carrion é uma atriz super talentosa e lindona de quem sou fã. O primeiro filme da Canibal que eu assisti foi Arrobada – Vou Mijar na Porra do Seu Túmulo e eu fiquei impressionada com a atuação da Ljana. Infelizmente ainda não tivemos a chance de contracenar. Participamos do mesmo filme de Gurcius Gewdner, Viatti Arrabbiati (que ainda está em fase de pós produção e não vemos a hora que estreie logo, todo elenco está ansioso haha), mas não temos cenas juntas. Não tenho problema algum em fazer cenas lésbicas. Como dizia meu professor de teatro: “Ator não tem sexo”. Independente de ser gay ou hetero o ator precisa estar preparado para fazer qualquer tipo de personagem e passar essa realidade na interpretação. Um bom ator deve ser livre de preconceitos.

Sua experiência no teatro, como que foi? Você ainda atua em peças?
R: Bom, comecei a fazer aulas de teatro por volta do ano de 2009, sem nenhuma pretensão artística e com único intuito de perder minha timidez e conseguir falar em público (coisa até então muito difícil pra mim). Nessa época eu era extremamente reservada/envergonhada e sofria muito com a dificuldade de me expressar. Mesmo num grupo pequeno de pessoas, se essas não fossem íntimas, era bastante complicado para eu me manifestar. No início, a ideia de apresentar alguma peça nem passava pela minha cabeça e deixei isso bem claro desde o primeiro dia do curso. Mas logo comecei a me encantar com o teatro e me apaixonei completamente pela arte de representar. Bastaram algumas aulas para eu ter certeza que queria fazer aquilo para o resto da vida. Mas o  problema que encontrei no teatro aqui na região onde moro, depois de anos de aulas, foi a frustração de apresentar poucas vezes. Por ser um curso,  nós ensaiávamos/estudávamos e nos preparávamos para o papel durante um ano inteiro para uma única apresentação no final do ano. Nunca fomos para festivais e nem nos apresentamos fora da cidade. Posso dizer que aprendi bastante em 3 anos que frequentei o grupo, as aulas foram muito úteis, mas  para um artista é muito frustrante ensaiar e se preparar durante meses para um papel e, quando tudo está pronto, não ter a oportunidade de dividir com o público, apresentando uma única vez algo que levou tanto tempo para ser construído. A falta de apresentações também impede que a personagem cresça, pois no decorrer das apresentações sempre vamos descobrindo novos traços da personalidade, novos gestos, maneiras diferentes de falar... Então como não encontro um grupo aqui na região disposto a viajar e levar a arte para todo Brasil, resolvi abandonar temporariamente essa minha grande paixão que é o teatro e me dedicar mais ao cinema. A Canibal Filmes tem me dado a oportunidade de mostrar minha arte em muitos festivais e mostras, e isso é muito gratificante. 



 
Você acha que filmes independentes ainda mais com cenas de nudez sofre uma rejeição perto de outros filmes, porém da indústria cinematográfica corporativa?
R: Acho que a maioria das pessoas não conhece filmes independentes porque vive fechada num mundinho de Rede Globo e filmes de shoppings. Mas felizmente o público que gosta do cinema alternativo está aumentando a cada dia e isso se deve a grande divulgação na internet e também à estudiosos, críticos e amantes de cinema de bordas que lutam para realizar mostras desse tipo de filme (não vou citar aqui o nome dessas pessoas maravilhosas porque são muitas e fico com medo de esquecer alguém, mas elas sabem que me refiro a elas).

Existe algum enredo ou temática de filme que você ainda gostaria de participar ou contracenar com alguém?
R: Nós da Canibal Filmes temos vários projetos que esperamos colocar em prática logo. E junto com o Coffin Souza, também temos novos projetos que com certeza agradarão aos fãs de terror antigo. Mas não posso falar sobre isso no momento.



Mas... e sobre Zombio 2 ? O que o pessoal pode esperar de Nilda Furacão? Sua personagem usa um vestido semelhante (quissá o mesmo) de “Arrombada; vou mijar na porra de seu tumulo”, não?
R: O vestido da Nilda foi desenhado pela artista (e minha amiga querida) Leyla Buk. Eu me encarreguei da confecção e, quando fui escolher o tecido, me deparei com um azul brilhante e logo lembrei do vestido da Ljana Carrion na personagem de Arrombada. Então decidi que seria aquele tecido mesmo. O vestido foi tipo uma homenagem que eu quis fazer à Ljana. (Mas se você reparar bem, os modelos dos vestidos são completamente diferentes). O que o público pode esperar da Nilda? Bem, ela é uma dançarina erótica um tanto burrinha, ambiciosa e muito romântica que sonha em sair da prostituição se casando com um fuzileiro naval rico. A Nilda tem cenas hilárias e engraçadas que não vou contar aqui senão estraga a surpresa, quem quiser saber tem que assistir ao filme!   

Gi, sua lindona, muito obrigado por ter respondido essas perguntas, quer deixar algum recado, link ou mensagem para o leitor?
R: Quero agradecer a você pela oportunidade da entrevista, muito obrigada. Agradecer também aos fãs por todo carinho, depois do filme Zombio 2: Chimarrão Zombies, tenho recebido muito mais elogios sobre minha interpretação e isso para uma atriz é a coisa mais gratificante que existe! Zombio 2 será exibido em muitas capitais e grandes cidades em mostras e festivais, então fiquem ligados e, se tiverem oportunidade, assistam ao filme, vale muito a pena! Como já falei lá em cima, escrevo juntamente com o Coffin Souza no blog She Demons, quem quiser conferir é só clicar http://shedemonszine.blogspot.com.br/ 



2 comentários:

  1. Sou super fã *-* Parabéns pela Entrevista ^^

    ResponderExcluir
  2. Bacana a entrevista...Parabéns...A Gisele manda bem pra caramba...Seus peitinhos também....

    ResponderExcluir

 
Blogger Templates